terça-feira, 8 de novembro de 2016

RESENHA DE LIVRO: A DOUTRINA DA ELEIÇÃO - JOÃO CALVINO


Excelente pensamento teológico de João Calvino, esse homem de Deus não aceitava a ideia do nome teologia calvinista, preferiu teologia reformada. Em sua morte, não quis o seu nome numa lápide para que ninguém idolatrasse seu corpo, pois desejou toda glória a Deus. 

O que me agregou nesse livro é que Deus não esperou nenhuma boa obra do homem para que Ele pudesse escolher. Afirmar que o homem escolhe Deus é afirmar que existem méritos na conversão, logo, sabendo que Nele não existem méritos, o homem faz a Bíblia mentirosa em afirmar seus méritos de escolha. Quando se afirma que Deus escolheu Jacó e não Esaú, diz-se que Deus previu. Ora, conforme o autor, isso é especulativo, pois as Escrituras afirmam que Deus escolheu. Se a autoridade do Ap. Paulo fosse abolida em afirmar que Ele nos elegeu antes da fundação do mundo, logo, a Bíblia toda teria que ser abolida também. 

Esse livro me mostrou que se Jesus fosse tirado de nós, logo Deus seria juiz. Mostra que é certo que Deus nos ama em entregar o Cristo. E uma vez salvo, salvo para sempre, todavia, salvo para a santidade, pois a atitude de um salvo é se santificar, essa que só provém também do próprio Deus.

Cito um parágrafo das págs. 7 e 8:

"Não devemos falar precipitadamente da Eleição de Deus, e dizer, que somos predestinados; mas se vamos estar seguros da nossa salvação, não devemos falar levianamente dela; se Deus nos tomou por seus filhos ou não. Que faremos então? Olhemos para o que está estabelecido no Evangelho. Ali Deus nos mostra que Ele é nosso Pai; e que Ele vai nos levar para a herança da vida, depois de ternos selado com o selo do Espirito Santo em nossos corações, que é um testemunho incontestável de nossa salvação, se nós a recebermos pela fé".

Entendi que o Evangelho é pregado a pessoas que já são reprovadas, mas quando recebemos a Doutrina de Deus, com obediência e fé, descansamos em suas promessas, ficamos certos da Sua eleição. 

Outros podem afirmar que a salvação é pela fé, mas quem é que nos dá essa fé senão o próprio Deus?

 E os gentios, ouvindo isto, alegraram-se, e glorificavam a palavra do Senhor; e creram todos quantos estavam ordenados para a vida eterna. 

Atos 13:48


Cito um parágrafo da página 10:

"Portanto, a eleição de Deus está muito longe de ser contra isso, pois confirma o testemunho que temos no Evangelho. Não devemos duvidar, que Deus tem registrado os nossos nomes, antes que o mundo fosse feito, entre os Seus filhos escolhidos, porém o conhecimento certo disso Ele reservou para Si mesmo". 

Aprendi que é Deus que nos atribui a fé para que creiamos no Evangelho. 

Os antigos, antes de Jesus, pela fé atribuída por Deus suportaram o mal do mundo e nós, como cristãos que recebemos a revelação do Pai sobre Jesus, temos que ser tão firmes quanto eles. Isso só me ensinou que temos que ser constante na fé. 

Recomendo a leitura, mesmo que você tenha uma posição diferente. 


Deus abençoe. 

sábado, 5 de novembro de 2016

RESENHA DE LIVRO: A REVOLUÇÃO DOS BICHOS - GEORGE OWELL


Livro do libertário George Orwell, venho primeiramente ressaltar que não partilho de ideias libertárias ou de esquerda num geral, entretanto como leitor assíduo que sou, venho fazer a resenha dessa obra.

A história começa com os bichos se reunindo na fazenda do Sr. Jones e o líder deles, o porco Major, assim como era chamado, começa a discursar com os animais da fazenda sobre a exploração do homem e de como o homem é um inimigo. Lembro que ele utiliza o termo "camarada" para se referir aos bichos. Ele critica o duro trabalho que o homem impõe sobre os animais, alega que ele é o único que consome sem produzir, pois não dá leite, não põe ovos, não tem força para puxar um arado... É um explorador. O porco também discursa que o homem é um tirano e que não ninguém prospera por conta da tirania dele. O homem e o bicho tem interesses diferentes e não comuns, alega o porco. E após tanto burburinho, Sr. Jones acorda e os bichos voltam ao normal.

 Com a morte de Major, os bichos tramam a revolução deles com o nome ideológico de Animalismo, expunham as ideias deles, de que todo animal era igual. Interessante que nessa fazenda chamada Granja Solar, havia até o corvo Moisés que representava a religião que falava de um lugar maravilhoso para onde os animais iriam quando morresse, a misteriosa "Montanha de Açúcar". Dentro do Animalismo, tinham fiéis como os cavalos Sansão e Quitéria. 

A liderança dos bichos estava com os porcos Bola de Neve e Napoleão, que tramavam a rebelião e expulsaram o Sr. Jones da granja. Eles tinham até um hino chamado "Bichos da Inglaterra". 

Fizeram 7 mandamentos como:

1 - Qualquer coisa que ande sobre duas pernas é inimigo
2 - Qualquer coisa que ande sobre quatro pernas, ou tenha asa, é amigo
3 - Nenhum animal usará roupas.
4 - Nenhum animal dormirá em cama. 
5 - Nenhum animal beberá álcool
6 - Nenhum animal matará outro animal.
7 - Todos os animais são iguais. 

Com a vitória dessa revolução, os debates entre Bola de Neve e Napoleão se acirravam sobre o que era melhor para a granja. 

A desigualdade começou agora:

Os porcos tinham os melhores privilégios pois eles eram os mais capazes intelectuais e precisavam das melhores coisas. E os demais bichos, sem entender, acabavam meio que entendendo. 

O Sr. Jones volta para reclamar sua granja e os animais tornam a expulsá-lo de novo. Vitória dos bichos. Tem-se o novo nome do evento: A Batalha do Estábulo onde o porco Bola de Neve lutou bravamente. 

A nova desigualdade começa:

Os animais começam a trabalhar sobre ordem dos porcos mais uma vez, pois os porcos eram os mais intelectuais...

Bola de Neve é sabotado e derrubado por Napoleão. Bola de Neve foge porque Napoleão atentou contra a vida dele botando cães atrás dele. 

Napoleão começa a explorar os animais e aos poucos, a ração foi sendo reduzida. Tudo em prol de construir um moinho. Tudo que dava de errado, a culpa era de Bola de Neve que nunca mais apareceu na história. Bichos são condenados a morte pelo porco Napoleão por estarem sendo acusados de conspiração com Bola de Neve. Os porcos começam a ter o melhor e os animais da fazendo o pior. Havia um porco chamado Garganta que seduzia os demais animais para que eles ouvissem mais e mais o líder Napoleão. Os porcos começam a dormir em camas e os animais ao relento. 

Os porcos deixavam o corvo Moisés pregar para os bichos, pois isso aliviava eles, lembrando que eles achavam o corvo um baita mentiroso e nem sequer acreditavam nele, mas não se opunham, pois queria os bichos sobre dominio deles. 
Os bichos eram todos iguais, mas uns eram mais iguais que os outros. Esse era o lema dos porcos. 

Os bichos trabalhavam feitos escravos, até mais que no tempo do Sr. Jones, com o propósito de que a granja era deles. Os porcos engordavam mais de alimento e os bichos tinham sua ração reduzida. Os porcos começaram a oprimir os bichos e já estavam usando roupas humanas. Já estavam ficando bêbados com bebidas alcoólicas. Tudo que dava de errado, a culpa era de Bola de Neve. Foi proibido o hino da revolução, sempre com olhares do líder, dos porcos e dos seus cães bravios. Os animais que não tinham mais validade, eram enviados para o matadouro, caso do fiel cavalo Sansão. 

Os porcos começaram a ficar de pé e a negociar com os humanos. E os dois já estavam cada vez mais parecidos sem distinção e com isso, os animais da granja foram cada vez mais oprimidos. Notou que todos os mandamentos foram quebrados?

Opinião minha?

Vejamos na Rússia comunista a fila para comprar pão. Fome no país. Vejamos a falta de papel higiênico na Venezuela.  Nesses locais houveram fome e desigualdade. E qualquer coisa que desse errado, a culpa era de algum fantasma que nem sequer existia mais, como era o caso de culparem direto o porco Bola de Neve. Eu nunca vi um membro do MST ter moradia em anos de governo petista. 

O comunismo é para apaixonados, mas como já é sabido e repetido, toda paixão é insana e sem razão e tem gente que ainda insiste em repetir a história. Como já disse o pregador, não há nada de novo debaixo do céu. O comunismo vem sempre com o pretexto de acabar com a pobreza, mas são seus líderes porcos que mais prosperam e pilham para si o produto do povo, oprimindo-o cada vez mais. Jesus, Deus que se encarnou na Terra, já havia dito que os pobres sempre teremos conosco, logo, não existe sistema que extinga a pobreza. Ainda há crentes que se envolvem com tal ideologia pela inocência de que estão fazendo justiça ao necessitado, coisa que eles poderiam fazer por eles mesmos sem precisar se aliar a ideias que agridem a crença deles.  

Ao mais, é um excelente livro para quem quer ter noção mínima política. Recomendo. 


domingo, 2 de outubro de 2016

Esconde Cast 003 - TESTEMUNHO, UNDERGROUND & MPB


Para a Glória de Deus SEMPRE (Soli Deo Gloria), o Cristo Suburbano começou mais uma inciativa que é um podcast, todavia como tudo tem uma origem, serão postados aos poucos no site do spreaker todos os podcasts que Eduardo A. Teixeira (idealizador do Cristo Suburbano e Projeto Cristorama) participou e inicialmente serão postados tanto para download como streamming os programas do ESCONDERIJO UNDERGROUND do Grande Luis Vulcanis. 

É só clicar nos links abaixo.

Primeira participação minha num podcast junto do grande Luis Augustus Vulcanis, líder da banda Holy Factor e do Esconderijo Underground. Nesse podcast foi falado o meu testemunho, conversamos sobre o underground e a MPB. 

Se liguem, compartilhem, comentem!!!! A sua opinião é muito válida!!!!

ERRATA:

Já fui defensor da Missão Integral, mas devido ao rumo que ela tomou, já não compartilho totalmente das mesmas ideias.







sábado, 1 de outubro de 2016

RESENHA DE LIVRO: "EM GUARDA" - WILLIAM LANE CRAIG


Fiquei curioso em ler um livro de apologética de um dos maiores apologetas de nossa época - William Lane Craig - que foi indicação de Lucas, baixo e vocal da banda JCHC Archote. Fiquei curioso, pois me alegaram que esse homem trouxe Deus de volta para a Universidade, local cada vez mais ateísta ou de influência de esquerda. Já o prefácio do livro começou arrebentando sobre o discurso de Craig - A criação do Universo aponta para um Criador; Ele possuí um design inteligente; Valores Morais objetivos; Evidências históricas em favor da ressurreição (túmulo vazio, testemunha ocular, morrer pela fé - meu acréscimo) que prova a divindade de Jesus; Deus pode ser conhecido e experienciado de forma imediata. Sobre a existência do mal, não podemos afirmar que o mal existe sem afirmar a moralidade dada pelo Criador. O que impressiona é que todo aquele que crê e pratica as Palavras do Rei tem a verdade do seu lado. 
O foco do livro é nos ensinar a explicar a razão de nossa fé com mansidão e amor (1 Pe 3:15), não esperando que alguém se converta com isso, pois é trabalho do Espirito Santo, mas fazermos de nós pessoas que não temem argumentar com ateus ou agnósticos. 

Menção sobre Apologética:
"A palavra apologética vem do grego apologia, que significa uma defesa, como a que se faz nos tribunais. A apologética cristã envolve fazer a defesa da verdade da fé". A apologética é bíblica, pois o apóstolo Paulo a defendia diante de judeus e gregos. Ela é importante porque "influencia a cultura (combate o secularismo que é uma cosmovisão que não abre espaço para o sobrenatural); fortalece os que creem (os ajudam a combater o relativismo) dando força aos pais para ajudar na criação dos filhos, a estarem sempre prontos para dar força à eles; ganhar os incrédulos - e o maior deles se tornou o maior evangelista - C.S. Lewis".

 A ideia é mostrar também o quanto crer em Deus é relevante para as nossas vidas hoje. O livro fala de Sentido, Valor e Propósito e caso Deus não exista, então isso não deve existir. E se Deus não existe e tudo não passa de um nada, então, não se deve deixar marca alguma nesse mundo, que conforme cientistas também orientam, vai deixar de existir. Se a vida acaba num túmulo, não faz o menor sentido viver como um Stalin ou uma Madre Teresa, pois os dois estão no mesmo patamar. Sem imortalidade, não há o que se importar com valor moral. 

Dentro das premissas que aprendi em lógica jurídica na faculdade, para a construção de um argumento, observo no livro:

1 - Tudo que existe tem uma explicação para existir.
2 - Se o universo tem uma explicação para existir essa explicação é Deus.
3 - O universo existe.

Se eu afirmo que o universo existe como conclusão de duas premissas, logo afirmo a existência de Deus como verdadeira. .

O universo não pode se criar, pois eu tenho que alegar que existe um universo maior. Mas e Deus? Quem criou Ele? Se Ele é eterno, no eterno não se cria. Se auto-existe em si, senão, caso contrário, terei que falar que um Deus maior criou Deus. 

Até os filósofos gregos, aos quais contribuíram para muitas ciências conhecidas hoje, criam que existia propósito na existência. Sem propósito e sem esperança, como já diria Sartre, só nos resta o desespero. 

Como ateus afirmam que o universo surgiu do nada, logo eu penso que tem que ter uma fé muito maior do que acreditar em Deus. Porque tudo tem um início, tem um meio e tem um fim. Até cientistas sabem que esse mundo terá um fim.

Al-Ghazali, teólogo muçulmano do século XII, pontua nas premissas abaixo:

1 - Tudo que começa começa a existir.
2 - O universo começou a existir.
3 - Logo, o universo tem uma causa.

Entendo que tudo o que começa, não começa a existir do algo. Alguém sempre dará um start, um início, por isso, que na minha opinião, afirmo:

"No princípio criou Deus o céu e a terra".

Gênesis 1:1

A Bíblia pode não ter uma linguagem científica, como alguns querem que ela tenha, pois ela utiliza a linguagem do autor que a escreveu na época, nesse caso, a autoria do Gênesis atribuída a Moisés, mas com uma lógica sem igual - tudo surgiu de algo. Defender que o universo foi criado do nada é uma falácia porque o nada é aquilo que a própria palavra diz - "nada". Um nada não cria. Um nada não existe.

Tudo tem uma causa para existir e com certeza, até com base na teoria do "Big-Bang", alguém acendeu essa bomba - e esse alguém é Deus. E o tempo começou a existir quando Deus criou o mundo e o universo, logo não existe tudo existir num infinito. Tudo começa, tudo tem meio e tudo tem um final. O universo não causou a si mesmo. Para o universo criar a si mesmo, ele teria que existir antes.

Aprendo que se Deus não existe, não deve existir uma moralidade como parâmetro. Tudo é relativo.

Deixo essas premissas e conclusão:

1 - Se Deus não existe, também não existem valores morais objetivos nem deveres.
2 - Valores morais objetivos e obrigações existem.
3 - Logo, Deus existe.

O relativismo acha errado uma pessoa crer em verdade absoluta. Na minha opinião, até quem crê em verdade relativa, acaba absolutizando-a. O bom e o mau estão ligados a valores e o certo e errado estão ligados ao fato de ser obrigatório.
Os valores morais objetivos exigem a existência de Deus porque se formos colocados no mesmo nicho que animais, logo seremos seletivos e isso é uma grande contradição. Os deveres morais objetivos exigem a existência de Deus.

Uma falha do argumento ateísta é trazer uma negativa universal, logo, por ser negativo, não se pode provar nada. Alias, a pergunta é ao invés de querer provar que Deus não existe, procure uma prova de que Ele exista.

No tocante ao sofrimento, os pensamentos de Deus estão acima dos nossos, logo entendo que o sofrimento nos aproxima Dele. O principal propósito da vida não é a felicidade, mas sim o conhecimento de Deus. O sofrimento humano inocente nos proporciona uma ocasião para sermos mais dependentes de Deus. É no sofrimento que a Igreja de Cristo se expande. O propósito de Deus não está restrito a esta vida, mas transborda para o além do túmulo, alcançando a vida eterna. 

Aprendi nesse livro é que nós não devemos nos calar diante de bobagens proferidas por "papagaios". Até os historiadores mais críticos admitem a ressurreição de Jesus. E quem nega a existência de Deus, que tenha o ônus da prova, pois é isso que deve ser feito. Os Evangelistas tem confiabilidade histórica. Vemos que Deus é tão real que até os fatos ruins com os heróis da fé não deixaram de passar em branco. Questione-se: a história é contada pelo lado vencedor, logo, é feito a melhor história sobre tal assunto.

A divindade de Jesus foi reconhecida por judeus, sendo esses verdadeiros monoteístas, até mesmo o mais ignorante deles. Alguns tentam dizer que o Jesus ressurreto era só uma visão, ao qual é impossível diversas pessoas terem a mesma visão, mas todas as testemunhas viram o Cristo encarnado, inclusive mulheres, essas que não eram contabilizadas na sociedade patriarcal.

As vezes, por sermos particularistas, ou seja, cremos em uma só verdade, o pluralismo se torna agressivo, pois segue aquela ideia de diversos caminhos da montanha para se levar até Deus e o cristão é particularista. Muitos até debocham da fé por conta da questão cultural de cada país, pois cada país teria a sua religião. Entretanto, sabemos que em Romanos, Deus também disse que julgaria o homem que se achegaria a Ele através da Natureza, ou seja, se um índio reconhecesse que não haveria diversos deuses, mas que um "Grande Espirito" tivesse feito tudo aquilo. Logo, por essa verdade bíblica não existe o mito do índio inocente.
Se o pluralista crê que o particularista é arrogante por achar que só ele é correto, logo não seria ele arrogante também em crer que ele é o certo?

Deus não julga as pessoas que nunca ouviram falar de Cristo com base no fato de elas terem ou não depositado sua fé em Cristo. Ele as julga com base na luz da sua revelação geral na natureza e na consciência que elas de fato possuem. Exemplo: Jó e Melquisedeque que nunca fizeram parte da aliança com Abraão, mas creram num único Deus.  Observações minhas: Aristóteles e Sócrates numa sociedade politeísta grega creram num único Deus.

E tem mais, Deus nunca seria injusto, pois Ele sabe quem creria em Jesus ou não mesmo que essa pessoa ouvisse falar do Filho Dele. Logo, Ele fará o julgamento com base na revelação geral da natureza e na consciência do indivíduo.

E com isso, encerro a resenha desse livro. Espero que possa abençoar cada leitor e até despertar em vocês o interesse de conhecer o livro.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

RESENHA: BANDA GRANO E SEUS SINGLES NO SOUNDCLOUD


Talvez você leia essa resenha e eles já tenham postado mais músicas no soundcloud que  já disponibilizei no link abaixo para que você escute e baixe esse som. O Grano, assim como o No More Zombies, é uma banda de singles, ou seja, a todo momento estão disponibilizando músicas novas (para nossa alegria). Eu, Eduardo Teixeira, confesso que sou um fã deles e quando ouvi Glórias ao Maior, tive a certeza de que essa seria a música de abertura do documentário Cristo Suburbano. 

Bem,vou fazer agora uma resenha de cada música até a data dessa postagem no soundcloud que estão disponíveis nesse momento, começando que cada música tem uma arte diferente e para mim foi uma influência para postar no soundcloud do No More Zombies. Bem, vamos lá:

A voz do Gão me lembra muito a do Thor da banda Zumbis do Espaço, um pouco mais gritada, é claro. Já me ganharam aí. Começando pela música Marca da Promessa, a música tem bastante oitavadas, traz a ideia das promessas sem fim de Deus. É um punk hardcore melódico bem no timing e com riffs extraordinários. O que me toca na música é "ser daqueles que não retrocedem, o orgulho e a vaidade não permanecem". Consertos tem uma levada bem dançante bem típico de músicas oitentistas. O contra-baixo me lembra algo como The Smiths. Bateria com swing bem caracterizados do pós-punk dos anos 80. Backing vocais bem trabalhados. Vale a pena conferir. Os Dias me lembram bem as bandas de hardcore melódico dos anos 90, como Bad Religion, Lagwagon e outros. Tem um momento de bateria, agregando os demais instrumentos bem posterior. Abusam bem do estéreo na hora do solo (ouvindo a música nesse momento com fones de ouvido). Sobre a Pedra começa com uma introdução de contra-baixo e segue o estilo já marcado da banda, que é o punk hardcore melódico. Tem um interlúdio de guitarra e com o vocal forte do Gão cantando "Que eu caia sobre a pedra e não a pedra sobre mim". É Natal é o primeiro single de natal da banda. Tem uma criatividade inicial usando um dial de rádio que começa com Simone cantando "Então é Natal", Garotos Podres com "Papai Noel" e logo em seguida a banda entra tocando. É uma as minhas favoritas, pois me traz um bom sentimento de querer estar perto de gente que não vejo mais ou já partiu para o outro lado, coisas de natais passado... Essa música me traz muitas nostalgias boas e saudades... Feliz Aniversário, Jesus, É Natal. Flutuar já começa com aquela base de guitarra abusando do estéreo com o vocal com um ritmo mais cadenciado e logo em seguida com uma pegada mais rápida. Ao Estar segue bem no ritmo do que a banda tem feito. Punk Rock e Hardcore Melódico e vocais gritados do Gão. Pronto Vou Estar, outra favorita minha, tem uma pegada bem no estilo da banda Millencollin. É uma música que retrata minhas convicções calvinistas ao retratar a soberania de Deus em agir nas nossas vidas. Vou onde Deus me mandar!!!! Chego onde Ele deixar!!!! Música sensacional. Pronto Vou Estar!!! E por fim, acredito que essa é a mais famosa deles, Glórias ao Maior. Essa música tem bem aquele jeito de Hino Punk Cristão, bem Irish Punk, ainda com uma levada de letra de futebol. Essa música também é uma das melhores deles. 

Eu termino essa resenha com as músicas que estão no momento no site deles. Se quiser ouvi-las, clique no link abaixo:









quinta-feira, 15 de setembro de 2016

NOVAPROLE - UMA NOVA GERAÇÃO DE PUNK ROCKERS ADORADORES


Confesso que já a um tempo eu gostaria de falar com eles aqui no blog webzine. A primeira vez que ouvi Novaprole foi num compartilhamento que alguém fez no facebook e eu,curiosamente, ouvi. Me lembrou uma sonoridade como Strike devido ao vocal melódico do vocalista Adriano e na época também guitarrista da banda. A banda tem mais de 6000 seguidores no facebook (até a data de postagem dessa entrevista), muitos acessos no soundcloud (ao qual estou ouvindo no momento dessa escrita) e tive o prazer de conhece-lo pelas redes sociais. Assisti vídeos como a apresentação no Lado B e me choquei com a humildade do Adriano. Já vi pessoas que não tem nem sequer um número considerável de seguidores e já sentir com o rei na barriga, coisa que me espantei com ele. Bom, como é de costume, falei com Adriano sobre essa banda de Curitiba - PR.
(Na foto: Alan Gomez guitarra, Jairo Bastos baixo, Adriano Santos vocal, Jhoow Albers batera)

Vamos para a conversa:

Cristo Suburbano: Quem são o Novaprole e o por quê do nome?

Adriano:  Novaprole é Adriano Santos nos vocais, Jairo Bastos no contra-baixo, Alan Gomez na guitarra e Jhoow Albers na batera. A banda começou com um projeto encabeçado pelo Jairo e por mim, e, tínhamos como objetivo criar uma banda de evangelismo na pegada punk hardcore e que ao mesmo tempo tivesse uma linguagem de louvor e que alcançasse todos os públicos e idades. Durante a formação da banda, muitos amigos ajudaram como ministério nas apresentações ao vivo e hoje, a banda se consolidou com o retorno do Alan Gomez e do Jhoow Albers. Novaprole significa nova geração, que quando começamos, não tínhamos um nome e o Jairo deu a sugestão de usar um nome de uma banda que eu tinha no passado que se chamava Prole7; como queríamos uma nova proposta de som e linguagem achei que por bem também um novo nome que marcasse uma nova fase, daí nasceu "Novaprole".

Cristo Suburbano: Eu percebo pelas letras da banda que ela é focada muito mais em louvores. Vocês pretendem abordar outras temáticas?

Adriano: Sim, as letras da banda são focadas em louvores, isso porque 99% das letras são testemunhos de tudo que tenho vivido e muito mais que louvores, são coisas reais e experiências minhas com Deus, como por exemplo: Posso te tocar foi uma experiência minha de oração nas épocas de monte aonde eu ia percebendo a manifestação de Deus; a musica Palavras é uma experiencia que tive em um encontro com Deus que se trata de um retiro onde não podemos falar e precisamos ficar em silêncio; a música Jonas eu escrevi numa época em que ia desistir da igreja e Deus me surrou com a passagem do livro do profeta; a musica Desesperado foi algo que fiz baseado na relação que tenho de Pai com minha filha que nasceu prematura onde vi a paternidade de Deus em nossas vidas, e até mesmo nossa versão de Faz chover tem uma história especial, pois como minha filha nasceu de 7 meses, muito pequenina, ela era chamada pelos irmãos de pequena nuvem e era esse louvor que cantava para ela no hospital enquanto ela se recuperava. Resumindo: sim posso abordar outras coisas nas músicas, mas sempre serão as minhas experiências com Deus.


Cristo Suburbano: Quais são as influências musicais da banda?


Adriano: O Jairo que é o baixista tinha muitas influências de Reggae, e eu fui mostrando para ele várias bandas, e com o tempo, foi deixando a vibe rastafari (risos) e hoje as bandas que ele mais gosta é o MxPx e o Blink182. O Alan Gomez tem muitas influências dos clássicos da Assembleia de Deus e entre os discos de vinil dele se destacam os de Oseias de Paula e a discografia do Ramones (risos). O Jhoow também assembleiano e do retété, assim como o Alan, curte Oseias de Paula, Dead Fish e Close Your Eyes. Já eu, curto muito as bandas dos anos 90 do hardcore californiano da época que eu era pivete e andava de skate (risos), Nofx, Millencolin, OffSpring e também as brazucas Charlie Brown e Cpm22, mas o que me inspira à escrever é David Quilam, Pastor Cirilo e depois vira essa mistura chamada Novaprole (risos).




Cristo Suburbano: Já vi programas em que a banda participou como o Lado B e achei super bacana. E recentemente, ela fez parte da trilha sonora de um filme. Como tem sido isso para vocês?


Adriano: Sobre o Lado B e a trilha do Filme, ambas foram duas coisas muito interessantes que aconteceram porque assim como você viu, nossas letras abordam a questão da adoração vertical entre o homem e Deus e o programa Lado B, tanto como a produtora do filme, no caso a Makina Cultural, ambos não são cristãos e não tem como foco o público cristão e mesmo assim, nos convidaram para os trabalhos e nos trataram super bem. Nisso tudo, pude ver o agir de Deus nos usando para chegar nesses veículos e eu chamo isso de milagre, realmente ficamos super felizes e surpresos por todas essa coisas, Deus é bom demais.

Cristo Suburbano: Vocês têm projetos futuros?

Adriano: Sobre os projetos futuros, estamos trabalhando esse ano em um novo Clip que se Deus quiser vai sair no final de outubro; também em novas músicas que logo estarão no novo CD que vai se chamar Atitudes e a pegada vai ter a mesma cara do primeiro, porém um pouco mais pesado; muitas da guias já estão gravadas, porém devido ao tempo e muitas dificuldade ainda não temos uma data de previsão para o lançamento do novo álbum.

Cristo Suburbano: Geralmente, eu pergunto isso para todas as bandas com as quais converso. Fale algo sobre Jesus para o caro leitor do blog.

Adriano: Sempre fui o tal do bad boy envolvido com tudo tipo de rebeldia clássica do jovem cabeça de vento (risos) e se não fosse pelo amor e misericórdia de Jesus Cristo, eu teria 99% de chances de não estar aqui escrevendo. Pois como diz a palavra de Deus: o salário do pecado é a morte; o nosso cotidiano é envolvido de diversas circunstâncias para promover a morte e a vida por si só é muito frágil para desperdiça-la em aventuras momentâneas que tragam qualquer tipo de satisfação a nossa carne. A vida tem um propósito muito maior do que nosso raso entendimento e basta dar uma chance a voz de Deus, pois seu filho Jesus o Cristo levou todas as nossas dores e aflições naquela cruz, nos mostrando que sim, Deus nos ama e o seu amor se prova exatamente naquilo que não podemos entender, pois Ele nos deu seu filho por amor de nós e nos resgatou de nós mesmos.


Como pode conferir, os links para baixar e seguir a banda estão abaixo: