segunda-feira, 19 de setembro de 2016

RESENHA: BANDA GRANO E SEUS SINGLES NO SOUNDCLOUD


Talvez você leia essa resenha e eles já tenham postado mais músicas no soundcloud que  já disponibilizei no link abaixo para que você escute e baixe esse som. O Grano, assim como o No More Zombies, é uma banda de singles, ou seja, a todo momento estão disponibilizando músicas novas (para nossa alegria). Eu, Eduardo Teixeira, confesso que sou um fã deles e quando ouvi Glórias ao Maior, tive a certeza de que essa seria a música de abertura do documentário Cristo Suburbano. 

Bem,vou fazer agora uma resenha de cada música até a data dessa postagem no soundcloud que estão disponíveis nesse momento, começando que cada música tem uma arte diferente e para mim foi uma influência para postar no soundcloud do No More Zombies. Bem, vamos lá:

A voz do Gão me lembra muito a do Thor da banda Zumbis do Espaço, um pouco mais gritada, é claro. Já me ganharam aí. Começando pela música Marca da Promessa, a música tem bastante oitavadas, traz a ideia das promessas sem fim de Deus. É um punk hardcore melódico bem no timing e com riffs extraordinários. O que me toca na música é "ser daqueles que não retrocedem, o orgulho e a vaidade não permanecem". Consertos tem uma levada bem dançante bem típico de músicas oitentistas. O contra-baixo me lembra algo como The Smiths. Bateria com swing bem caracterizados do pós-punk dos anos 80. Backing vocais bem trabalhados. Vale a pena conferir. Os Dias me lembram bem as bandas de hardcore melódico dos anos 90, como Bad Religion, Lagwagon e outros. Tem um momento de bateria, agregando os demais instrumentos bem posterior. Abusam bem do estéreo na hora do solo (ouvindo a música nesse momento com fones de ouvido). Sobre a Pedra começa com uma introdução de contra-baixo e segue o estilo já marcado da banda, que é o punk hardcore melódico. Tem um interlúdio de guitarra e com o vocal forte do Gão cantando "Que eu caia sobre a pedra e não a pedra sobre mim". É Natal é o primeiro single de natal da banda. Tem uma criatividade inicial usando um dial de rádio que começa com Simone cantando "Então é Natal", Garotos Podres com "Papai Noel" e logo em seguida a banda entra tocando. É uma as minhas favoritas, pois me traz um bom sentimento de querer estar perto de gente que não vejo mais ou já partiu para o outro lado, coisas de natais passado... Essa música me traz muitas nostalgias boas e saudades... Feliz Aniversário, Jesus, É Natal. Flutuar já começa com aquela base de guitarra abusando do estéreo com o vocal com um ritmo mais cadenciado e logo em seguida com uma pegada mais rápida. Ao Estar segue bem no ritmo do que a banda tem feito. Punk Rock e Hardcore Melódico e vocais gritados do Gão. Pronto Vou Estar, outra favorita minha, tem uma pegada bem no estilo da banda Millencollin. É uma música que retrata minhas convicções calvinistas ao retratar a soberania de Deus em agir nas nossas vidas. Vou onde Deus me mandar!!!! Chego onde Ele deixar!!!! Música sensacional. Pronto Vou Estar!!! E por fim, acredito que essa é a mais famosa deles, Glórias ao Maior. Essa música tem bem aquele jeito de Hino Punk Cristão, bem Irish Punk, ainda com uma levada de letra de futebol. Essa música também é uma das melhores deles. 

Eu termino essa resenha com as músicas que estão no momento no site deles. Se quiser ouvi-las, clique no link abaixo:









quinta-feira, 15 de setembro de 2016

NOVAPROLE - UMA NOVA GERAÇÃO DE PUNK ROCKERS ADORADORES


Confesso que já a um tempo eu gostaria de falar com eles aqui no blog webzine. A primeira vez que ouvi Novaprole foi num compartilhamento que alguém fez no facebook e eu,curiosamente, ouvi. Me lembrou uma sonoridade como Strike devido ao vocal melódico do vocalista Adriano e na época também guitarrista da banda. A banda tem mais de 6000 seguidores no facebook (até a data de postagem dessa entrevista), muitos acessos no soundcloud (ao qual estou ouvindo no momento dessa escrita) e tive o prazer de conhece-lo pelas redes sociais. Assisti vídeos como a apresentação no Lado B e me choquei com a humildade do Adriano. Já vi pessoas que não tem nem sequer um número considerável de seguidores e já sentir com o rei na barriga, coisa que me espantei com ele. Bom, como é de costume, falei com Adriano sobre essa banda de Curitiba - PR.
(Na foto: Alan Gomez guitarra, Jairo Bastos baixo, Adriano Santos vocal, Jhoow Albers batera)

Vamos para a conversa:

Cristo Suburbano: Quem são o Novaprole e o por quê do nome?

Adriano:  Novaprole é Adriano Santos nos vocais, Jairo Bastos no contra-baixo, Alan Gomez na guitarra e Jhoow Albers na batera. A banda começou com um projeto encabeçado pelo Jairo e por mim, e, tínhamos como objetivo criar uma banda de evangelismo na pegada punk hardcore e que ao mesmo tempo tivesse uma linguagem de louvor e que alcançasse todos os públicos e idades. Durante a formação da banda, muitos amigos ajudaram como ministério nas apresentações ao vivo e hoje, a banda se consolidou com o retorno do Alan Gomez e do Jhoow Albers. Novaprole significa nova geração, que quando começamos, não tínhamos um nome e o Jairo deu a sugestão de usar um nome de uma banda que eu tinha no passado que se chamava Prole7; como queríamos uma nova proposta de som e linguagem achei que por bem também um novo nome que marcasse uma nova fase, daí nasceu "Novaprole".

Cristo Suburbano: Eu percebo pelas letras da banda que ela é focada muito mais em louvores. Vocês pretendem abordar outras temáticas?

Adriano: Sim, as letras da banda são focadas em louvores, isso porque 99% das letras são testemunhos de tudo que tenho vivido e muito mais que louvores, são coisas reais e experiências minhas com Deus, como por exemplo: Posso te tocar foi uma experiência minha de oração nas épocas de monte aonde eu ia percebendo a manifestação de Deus; a musica Palavras é uma experiencia que tive em um encontro com Deus que se trata de um retiro onde não podemos falar e precisamos ficar em silêncio; a música Jonas eu escrevi numa época em que ia desistir da igreja e Deus me surrou com a passagem do livro do profeta; a musica Desesperado foi algo que fiz baseado na relação que tenho de Pai com minha filha que nasceu prematura onde vi a paternidade de Deus em nossas vidas, e até mesmo nossa versão de Faz chover tem uma história especial, pois como minha filha nasceu de 7 meses, muito pequenina, ela era chamada pelos irmãos de pequena nuvem e era esse louvor que cantava para ela no hospital enquanto ela se recuperava. Resumindo: sim posso abordar outras coisas nas músicas, mas sempre serão as minhas experiências com Deus.


Cristo Suburbano: Quais são as influências musicais da banda?


Adriano: O Jairo que é o baixista tinha muitas influências de Reggae, e eu fui mostrando para ele várias bandas, e com o tempo, foi deixando a vibe rastafari (risos) e hoje as bandas que ele mais gosta é o MxPx e o Blink182. O Alan Gomez tem muitas influências dos clássicos da Assembleia de Deus e entre os discos de vinil dele se destacam os de Oseias de Paula e a discografia do Ramones (risos). O Jhoow também assembleiano e do retété, assim como o Alan, curte Oseias de Paula, Dead Fish e Close Your Eyes. Já eu, curto muito as bandas dos anos 90 do hardcore californiano da época que eu era pivete e andava de skate (risos), Nofx, Millencolin, OffSpring e também as brazucas Charlie Brown e Cpm22, mas o que me inspira à escrever é David Quilam, Pastor Cirilo e depois vira essa mistura chamada Novaprole (risos).




Cristo Suburbano: Já vi programas em que a banda participou como o Lado B e achei super bacana. E recentemente, ela fez parte da trilha sonora de um filme. Como tem sido isso para vocês?


Adriano: Sobre o Lado B e a trilha do Filme, ambas foram duas coisas muito interessantes que aconteceram porque assim como você viu, nossas letras abordam a questão da adoração vertical entre o homem e Deus e o programa Lado B, tanto como a produtora do filme, no caso a Makina Cultural, ambos não são cristãos e não tem como foco o público cristão e mesmo assim, nos convidaram para os trabalhos e nos trataram super bem. Nisso tudo, pude ver o agir de Deus nos usando para chegar nesses veículos e eu chamo isso de milagre, realmente ficamos super felizes e surpresos por todas essa coisas, Deus é bom demais.

Cristo Suburbano: Vocês têm projetos futuros?

Adriano: Sobre os projetos futuros, estamos trabalhando esse ano em um novo Clip que se Deus quiser vai sair no final de outubro; também em novas músicas que logo estarão no novo CD que vai se chamar Atitudes e a pegada vai ter a mesma cara do primeiro, porém um pouco mais pesado; muitas da guias já estão gravadas, porém devido ao tempo e muitas dificuldade ainda não temos uma data de previsão para o lançamento do novo álbum.

Cristo Suburbano: Geralmente, eu pergunto isso para todas as bandas com as quais converso. Fale algo sobre Jesus para o caro leitor do blog.

Adriano: Sempre fui o tal do bad boy envolvido com tudo tipo de rebeldia clássica do jovem cabeça de vento (risos) e se não fosse pelo amor e misericórdia de Jesus Cristo, eu teria 99% de chances de não estar aqui escrevendo. Pois como diz a palavra de Deus: o salário do pecado é a morte; o nosso cotidiano é envolvido de diversas circunstâncias para promover a morte e a vida por si só é muito frágil para desperdiça-la em aventuras momentâneas que tragam qualquer tipo de satisfação a nossa carne. A vida tem um propósito muito maior do que nosso raso entendimento e basta dar uma chance a voz de Deus, pois seu filho Jesus o Cristo levou todas as nossas dores e aflições naquela cruz, nos mostrando que sim, Deus nos ama e o seu amor se prova exatamente naquilo que não podemos entender, pois Ele nos deu seu filho por amor de nós e nos resgatou de nós mesmos.


Como pode conferir, os links para baixar e seguir a banda estão abaixo:






















sábado, 3 de setembro de 2016

RESENHA: PROCEDENTES 144



Resenha por Jota R da banda Crush. 

Procedentes 144 banda de João Pessoa fundada em 2012 que toca um hardcore no estilo californiano, com backs bem encaixados, letras explicitamente cristãs e uma melodia bem composta e que gruda como chiclete (risos).
Vou falar sobre seu EP que leva o mesmo nome da banda.

A primeira faixa Palavras Impuras chega a lembrar um pouco Rodox. A letra fala sobre o homem que está longe de Deus e sendo assim acabam tendo palavras impuras saindo do coração, no decorrer da música tem uma advertência  sobre a necessidade do homem de viver ao lado de Deus. Termina com uma ótima linha de baixo e solo de guitarra.

A segunda Os Dias São Iguais tem uma base bem legal, ela é meio cadenciada e tem um refrão  com uma melodia bem gostosa de ouvir. Fala pra não ficar parado no tempo, e que nada é melhor que o amor de Deus, os dias são iguais a diferença é o que você faz.

O EP prossegue com a bem encorpada Minha Rocha numa levada direta bem hardcore indo direto ao ponto tanto no som como na letra fazendo uma declaração de amor e confiança para Deus.

Na musica Em Teus Caminhos tem uma excelente execução de bateria e um inicio vocal muito bem feito, seguindo de um som veloz com backs  bem colocados,  também tem variações sem perde o pique. A letra fala da conversão e gratidão de ter se encontrado em Jesus Cristo.

A quinta faixa é a minha preferida Desordem e Regresso, com a levada mas punk do EP tem um vocal mas gritado mesmo assim os backs continuam lá, e o refrão na linha melódica de uma "musiquinha" infantil que ficou excelente e bem encaxado deixando assim a faixa muito criatva. A letra não poderia deixar ser critica ao sistema do Brasil, falando de corrupção, alienação e outras mazelas.
O Juízo Começa com um riff mas pesado porém logo a faixa cai no bom e velho hardcore. O vocal dessa faixa também está mas gritado e tendo variações bem criativas e até inclusões de pedal duplo. Com uma letra mandando um recado bem forte e direta.

A ultima faixa é um bônus, uma versão do hino 15 da harpa cristã que ficou muito show, estou falando de Foi Na Cruz com um vocal bem encaixado em cima de uma levada hardcore bem composta que ficou excelente .  


NOTA do CRISTO SUBURBANO:

Até o momento de publicação dessa resenha, a banda não tem o CD disponível para download, mas tem para streamming no soundcloud em que você pode ouvir o som. Basta clicar nos links abaixo:








sábado, 20 de agosto de 2016

DOWNLOAD: RIGHT VISION - DEMO CD


Banda de punk rock da Bahia. 










Curta a page do Cristo Suburbano clicando na imagem abaixo.







quarta-feira, 17 de agosto de 2016

DOWNLOAD: RIGHT VISION - JCHC STYLE


Banda da Bahia. Confira as músicas no link do bandcamp. Caso não consiga fazer o download por lá, utilize o link alternativo do mediafire. 






Curta a fanpage do Cristo Suburbano clicando na imagem abaixo e apoie a cena JCHC.














domingo, 14 de agosto de 2016

PUNK ROCK COM MUITO LOUVOR - CONVERSAMOS COM MARK MAIN DO "SONS OF RACHEL"


Para você que curte uma musicalidade que lembra bem o Ramones, você tem que conhecer essa banda de Detroit, que além dessa pegada, traz mensagens do evangelho de Cristo para as pessoas. Da esquerda para a direita, a banda é formada por Jack Neller (Bateria), Jim Talbott (Teclados), Mark Main (Guitarra e Voz), Ray Boyd (Contra-baixo) e Phill Antonucci (Guitarra). Eu falei com Mark Main, o frontman da banda que é um cara que tem alguns trabalhos muito bacanas pela web e recentemente, lançou o single "Dogwood" pela coletânea contra o Autismo da Thumper Punk Records. Como sempre, os links para ouvir o trabalho musical da banda e do músico estão no final da entrevista. Aproveite a leitura.

Cristo Suburbano: Mark, eu sou seu fã desde que eu conheci sua música na coletânea musical da Grok Radio. A banda Sons of Rachel tem uma musicalidade que soa como os Ramones. É Perfeito!!! Fale-me de seus trabalhos musicais, sobre a música cristã e o punk rock.

Mark Main: Bem, os Sons of Rachel se reuniram novamente em 2010, e musicalmente, nós somos um tipo de uma mistura entre o punk rock e o glam dos anos 80. No entanto, como nós evoluímos, a gente se inclinou muito mais para o lado do punk rock. Não tenho a certeza por que, mas para mim, o punk rock está em meu sangue desde que eu era muito jovem. Não era até que eu escutei o primeiro álbum do MxPx e algumas outras bandas da gravadora Tooth & Nail, até que eu percebi que isso poderia ser feito para glorificar o Senhor e alcançar outros para Cristo.
Você mencionou a coletânea da Grok Radio, e nós nos sentimos realmente abençoados por fazer parte disso. Isso foi realmente emocionante para nós, sério. Nós também disponibilizamos um EP chamado "Roll the Dice", à quase dois anos atrás e, em seguida, foi adiante com alguns singles. Nós tivemos um monte de divertidas gravações, e eu estou dando um tempo para fazer algumas músicas novas ainda este ano.

Cristo Suburbano: Você abriram shows para a banda Stryper (que tem sido um grande sucesso aqui no Brasil). Como o público tem recebido o Sons of Rachel?

Mark Main: Sim, temos sido muito abençoados e tivemos oportunidades muito legais detocar  com alguns grandes ícones nacionais (E.U.A), bem como alguns ícones regionais fantásticos. Sempre tivemos uma resposta muito positiva do público. Eu acho que tem muito a ver com os caras da banda e como agimos e como nós tratamos os outros. Não me interpretem mal, estou orgulhoso da música que fazemos e acho que vale por si só, para não mencionar nossas performances. A banda tem uma forma legal de interagir com as multidões e puxá-los para o show, e eu acho que vai um longo caminho no desenvolvimento de uma base de fãs. No final do dia, tem sido um tempo fantástico e somos abençoados, com certeza.





Cristo Suburbano: Você também tem uma carreira solo, que já vi no seu reverbnation. É algo apenas para a internet ou você faz apresentações solo?

Mark Main: Sim, eu tenho escrito e gravado algumas músicas solo também. Isso começou quando SOR fez uma pausa de um tempo à dois anos atrás, e eu ainda senti a necessidade de escrever música. Algumas das canções cabem bem no SOR, e algumas, talvez, nem tanto. Assim, para responder sua pergunta, no momento, eu só tenho gravado algumas músicas, mas sem quaisquer performances ao vivo. Eu não estou certo deu que isso vai acontecer ou não, para ser honesto. Enquanto isso, eu vou manter escrita e gravação e eu acho que quando for a hora certa, nós vamos saber!



Cristo Suburbano: Sons of Rachel fez uma pausa, mas voltou com força total. Como tem sido isso para vocês?

Mark Main: Quando retornamos de nossa pausa em 2014, precisamos nos enxugar. Precisávamos nos lembrar por que estávamos fazendo o que estávamos fazendo e nos certificamos de que as nossas prioridades foram definidas. Eu nunca esperei que iria pegar de onde paramos, mas Deus tinha algo diferente em mente. Até agora, Ele tem sido grande. Nós abrimos para o Stryper mais uma vez em junho e temos desempenhado uma par de shows que são mais familiares. Para mim, esta é uma lufada de ar fresco. Tocando nos clubes e bares é algo que temos de fazer, porque podemos levar a luz de nosso Senhor conosco. Isso faz parte da nossa missão. No entanto, tocando em eventos da igreja também são muito legais. A vibração é diferente e difícil de explicar, mas é apenas uma experiência fantástica.

Cristo Suburbano: As suas letras e o meu pouco entendimento do Inglês, Eu os comparo com o Supertones e os Insyderz. As letras são de adoração. Dentro da música cristã tem vários segmentos, ou seja, letras positivas e letras de adoração, ou é tudo um?

Mark Main: Uau! Que grande elogio! Para ser comparado com esses caras é um grande elogio! Tenho ouvido muitas vezes a comparação de uma "banda cristã" e uma "banda de cristãos". Para mim, se uma banda considera um ou o outro, sua fé, seu amor pelo Senhor vai brilhar através da música. Eu acho que tem que ser isso. Algumas de nossas canções poderiam ser consideradas mais reverentes, enquanto alguns outros podem contar uma história da vida. De qualquer forma, as nossas músicas devem direcionar o ouvinte para o Senhor. Se não estamos fazendo isso, então eu não tenho certeza de que estamos fazendo isso certo ou ter êxito.. No entanto, acho que ao fazer isso, fazemos muito bem.


Cristo Suburbano: Você e Edu NMZ do No More Zombies gravaram um hino muito conhecido em punk rock. Como foi isso pra você?

Mark Main: Oh cara! Eu tinha me divertido muito colocar esta canção junto com Edu NMZ. Edu pegou a canção, "How Great Thou Art" (Grandioso És Tu), e ele teve algumas grandes ideias sobre a música e como poderíamos colocá-lo juntos. Eu estava realmente animado com a forma como ela saiu! Na verdade, eu estou esperando que eu e ele possamos fazer mais músicas, talvez até mesmo algumas autorais. Nós estávamos realmente brincando com o que devemos chamar o projeto e veio com o nome de "Sons of Zombie" É uma espécie de uma combinação das duas bandas em que estamos. Este foi um projeto divertido para mim, e eu acho que há mais boa música para vir a partir deste!

Cristo Suburbano: Pergunto isso a todo o entrevistado - Fale alguma coisa sobre Jesus para os nossos leitores.

Mark Main: Bem, a linha de raciocínio é esta: Nós precisamos de Jesus. Cerca de 25 anos atrás, meu irmão me perguntou: "Se você morrer esta noite, como você estaria certo de que você iria para o céu?" Eu lhe respondi de forma honesta: "Eu tenho zero por cento de certeza ..." Ele me mostrou como era fácil para aceitar a Cristo em meu coração, para aceitar o sacrifício que Ele fez na cruz por meus pecados, e como eu poderia ter 100% de certeza que quando eu morrer, eu realmente iria para o céu. Orei nesta noite e aceitei a Cristo. Não houve alarde, sem fogos de artifício ou qualquer coisa assim. Mas meu futuro estava agora seguro. Alguns anos mais tarde, eu fui a um show do Zao, e Deus usou essa experiência para me ensinar que a verdadeira satisfação só poderia ser encontrada Nele. Esse foi o dia que eu realmente comecei a viver uma vida cheia do Espírito. Então, se você ainda não olhou para Jesus, você definitivamente deve fazer isso.

Conversei com esse querido de Deus e se quiser conhecer mais do trabalho dele, curta page no facebook, ouça as músicas e se divirta. 















sexta-feira, 12 de agosto de 2016

UMA ENTREVISTA DE CONGELAR O INFERNO - SPLATTER GUTS DO BLAST FROM OBLIVION


O gênero musical Horror Punk é novo dentro do cenário brasileiro e confesso não conhecer nenhuma banda desse segmento no Brasil, embora a banda brasileira No More Zombies tenha usado desse elemento musical na música Rasteira no Saci, ainda assim, no Brasil não conheço nada do tipo. Eu conversei com Splatter Guts da banda Blast From Oblivion, de Nova Iorque - EUA, e brindo vocês com essa conversa e depois, você poderá conhecer mais do trabalho dele nos links logo após a entrevista. 

Cristo Suburbano: No Brasil, o horror punk é uma novidade, ainda mais com uma temática cristã. Você encontra problemas em seu país por fazer esse tipo de música?

Splatter Guts: Eu, pessoalmente não, ainda não (risos).  Blast from Oblivion não é tão bem conhecido. Há apenas um punhado de bandas cristãs que são de gênero horror  por aqui. Tenho ouvido falar de alguns problemas que as pessoas têm, mas não é uma grande preocupação.


Cristo Suburbano: Quando ouvi a sua música pela primeira vez, confesso que gostei muito. E eu percebi que você é a banda de um homem só (risos). Você quer ter uma banda completa ainda ou só fazer conteúdo para a internet e também para aqueles que querem comprar o CD?

Splatter Guts: Obrigado. Fico feliz que você goste, cara. Bem ... Você nunca sabe o que o futuro lhe trará. É uma possibilidade para um show ao vivo, louco e sangrento do Blast From Oblivion. Por enquanto, estou colocando juntos versões acústicas de algumas das canções e, provavelmente, alguns novos. Portanto, há planos para shows acústicos ao vivo com BFO.


Cristo Sububano: Eu vi o seu vídeo clip. Eu mesmo divulguei na fanpage do Cristo Suburbano. Você tem o propósito de fazer mais vídeos?

Splatter Guts: Eu só planejei um vídeo. Não houve tempo suficiente para termina-lo e ele acabou não saindo do jeito que eu queria. Então, o vídeo não fez o sentido. Eu lancei o que eu tinha. À partir de agora, não há planos para produzirmos mais vídeos.


Cristo Suburbano:  Por que o estilo horror punk? Quais são suas influências musicais?

Splatter Guts: Além de meu amor pelo gênero terror .... Eu queria trazer algo novo para a cena cristã. Eu não sou de encher linguiça, nada, nem tão pouco do que eu faço é obsceno para os cristãos conservadores lá fora. Eu não quero alcança-los, mas busco os de fora. Eu falo para as almas perdidas. Mas por trás de tudo o que faço traz louvor ao nosso criador. Minhas influências? Nada que realmente influencie BFO, como em geral, se eu tivesse que escolher,  provavelmente seria Gwar, Grave Robber, The Damned, Cannibal Corpse, Misfits, Calabrese, Blitzkid, Megadeth. Ultimamente tenho  curtido Death / Doom. É uma coisa muito brutal.


Cristo Suburbano: Teremos novidades, algum novo CD?

Splatter Guts: Há um novo álbum saindo com o nome de * Restrained *. É um pouco diferente,  do até então To Hell & Back. Ainda é muita condução e cru. Ele tem mais peças limpas melódicas. Vocalmente é o melhor que eu já cheguei a gravar. Tem alguns vocais limpos, mas ainda é muito brutal.  É um passo para BFO. Estou bastante animado pra isso!


Cristo Suburbano: Esta pergunta eu faço para todos os meus entrevistados - Diga alguma coisa a respeito de Jesus
.
Splatter Guts: Jesus derrama sua chuva de sangue sobre mim !!!


Esse foi meu bate papo com Splatter Guts do Blast From Oblivion e se você quiser conhecer mais da banda, acesse os links abaixo.