sábado, 20 de agosto de 2016

DOWNLOAD: RIGHT VISION - DEMO CD


Banda de punk rock da Bahia. 










Curta a page do Cristo Suburbano clicando na imagem abaixo.







quarta-feira, 17 de agosto de 2016

DOWNLOAD: RIGHT VISION - JCHC STYLE


Banda da Bahia. Confira as músicas no link do bandcamp. Caso não consiga fazer o download por lá, utilize o link alternativo do mediafire. 






Curta a fanpage do Cristo Suburbano clicando na imagem abaixo e apoie a cena JCHC.














domingo, 14 de agosto de 2016

PUNK ROCK COM MUITO LOUVOR - CONVERSAMOS COM MARK MAIN DO "SONS OF RACHEL"


Para você que curte uma musicalidade que lembra bem o Ramones, você tem que conhecer essa banda de Detroit, que além dessa pegada, traz mensagens do evangelho de Cristo para as pessoas. Da esquerda para a direita, a banda é formada por Jack Neller (Bateria), Jim Talbott (Teclados), Mark Main (Guitarra e Voz), Ray Boyd (Contra-baixo) e Phill Antonucci (Guitarra). Eu falei com Mark Main, o frontman da banda que é um cara que tem alguns trabalhos muito bacanas pela web e recentemente, lançou o single "Dogwood" pela coletânea contra o Autismo da Thumper Punk Records. Como sempre, os links para ouvir o trabalho musical da banda e do músico estão no final da entrevista. Aproveite a leitura.

Cristo Suburbano: Mark, eu sou seu fã desde que eu conheci sua música na coletânea musical da Grok Radio. A banda Sons of Rachel tem uma musicalidade que soa como os Ramones. É Perfeito!!! Fale-me de seus trabalhos musicais, sobre a música cristã e o punk rock.

Mark Main: Bem, os Sons of Rachel se reuniram novamente em 2010, e musicalmente, nós somos um tipo de uma mistura entre o punk rock e o glam dos anos 80. No entanto, como nós evoluímos, a gente se inclinou muito mais para o lado do punk rock. Não tenho a certeza por que, mas para mim, o punk rock está em meu sangue desde que eu era muito jovem. Não era até que eu escutei o primeiro álbum do MxPx e algumas outras bandas da gravadora Tooth & Nail, até que eu percebi que isso poderia ser feito para glorificar o Senhor e alcançar outros para Cristo.
Você mencionou a coletânea da Grok Radio, e nós nos sentimos realmente abençoados por fazer parte disso. Isso foi realmente emocionante para nós, sério. Nós também disponibilizamos um EP chamado "Roll the Dice", à quase dois anos atrás e, em seguida, foi adiante com alguns singles. Nós tivemos um monte de divertidas gravações, e eu estou dando um tempo para fazer algumas músicas novas ainda este ano.

Cristo Suburbano: Você abriram shows para a banda Stryper (que tem sido um grande sucesso aqui no Brasil). Como o público tem recebido o Sons of Rachel?

Mark Main: Sim, temos sido muito abençoados e tivemos oportunidades muito legais detocar  com alguns grandes ícones nacionais (E.U.A), bem como alguns ícones regionais fantásticos. Sempre tivemos uma resposta muito positiva do público. Eu acho que tem muito a ver com os caras da banda e como agimos e como nós tratamos os outros. Não me interpretem mal, estou orgulhoso da música que fazemos e acho que vale por si só, para não mencionar nossas performances. A banda tem uma forma legal de interagir com as multidões e puxá-los para o show, e eu acho que vai um longo caminho no desenvolvimento de uma base de fãs. No final do dia, tem sido um tempo fantástico e somos abençoados, com certeza.





Cristo Suburbano: Você também tem uma carreira solo, que já vi no seu reverbnation. É algo apenas para a internet ou você faz apresentações solo?

Mark Main: Sim, eu tenho escrito e gravado algumas músicas solo também. Isso começou quando SOR fez uma pausa de um tempo à dois anos atrás, e eu ainda senti a necessidade de escrever música. Algumas das canções cabem bem no SOR, e algumas, talvez, nem tanto. Assim, para responder sua pergunta, no momento, eu só tenho gravado algumas músicas, mas sem quaisquer performances ao vivo. Eu não estou certo deu que isso vai acontecer ou não, para ser honesto. Enquanto isso, eu vou manter escrita e gravação e eu acho que quando for a hora certa, nós vamos saber!



Cristo Suburbano: Sons of Rachel fez uma pausa, mas voltou com força total. Como tem sido isso para vocês?

Mark Main: Quando retornamos de nossa pausa em 2014, precisamos nos enxugar. Precisávamos nos lembrar por que estávamos fazendo o que estávamos fazendo e nos certificamos de que as nossas prioridades foram definidas. Eu nunca esperei que iria pegar de onde paramos, mas Deus tinha algo diferente em mente. Até agora, Ele tem sido grande. Nós abrimos para o Stryper mais uma vez em junho e temos desempenhado uma par de shows que são mais familiares. Para mim, esta é uma lufada de ar fresco. Tocando nos clubes e bares é algo que temos de fazer, porque podemos levar a luz de nosso Senhor conosco. Isso faz parte da nossa missão. No entanto, tocando em eventos da igreja também são muito legais. A vibração é diferente e difícil de explicar, mas é apenas uma experiência fantástica.

Cristo Suburbano: As suas letras e o meu pouco entendimento do Inglês, Eu os comparo com o Supertones e os Insyderz. As letras são de adoração. Dentro da música cristã tem vários segmentos, ou seja, letras positivas e letras de adoração, ou é tudo um?

Mark Main: Uau! Que grande elogio! Para ser comparado com esses caras é um grande elogio! Tenho ouvido muitas vezes a comparação de uma "banda cristã" e uma "banda de cristãos". Para mim, se uma banda considera um ou o outro, sua fé, seu amor pelo Senhor vai brilhar através da música. Eu acho que tem que ser isso. Algumas de nossas canções poderiam ser consideradas mais reverentes, enquanto alguns outros podem contar uma história da vida. De qualquer forma, as nossas músicas devem direcionar o ouvinte para o Senhor. Se não estamos fazendo isso, então eu não tenho certeza de que estamos fazendo isso certo ou ter êxito.. No entanto, acho que ao fazer isso, fazemos muito bem.


Cristo Suburbano: Você e Edu NMZ do No More Zombies gravaram um hino muito conhecido em punk rock. Como foi isso pra você?

Mark Main: Oh cara! Eu tinha me divertido muito colocar esta canção junto com Edu NMZ. Edu pegou a canção, "How Great Thou Art" (Grandioso És Tu), e ele teve algumas grandes ideias sobre a música e como poderíamos colocá-lo juntos. Eu estava realmente animado com a forma como ela saiu! Na verdade, eu estou esperando que eu e ele possamos fazer mais músicas, talvez até mesmo algumas autorais. Nós estávamos realmente brincando com o que devemos chamar o projeto e veio com o nome de "Sons of Zombie" É uma espécie de uma combinação das duas bandas em que estamos. Este foi um projeto divertido para mim, e eu acho que há mais boa música para vir a partir deste!

Cristo Suburbano: Pergunto isso a todo o entrevistado - Fale alguma coisa sobre Jesus para os nossos leitores.

Mark Main: Bem, a linha de raciocínio é esta: Nós precisamos de Jesus. Cerca de 25 anos atrás, meu irmão me perguntou: "Se você morrer esta noite, como você estaria certo de que você iria para o céu?" Eu lhe respondi de forma honesta: "Eu tenho zero por cento de certeza ..." Ele me mostrou como era fácil para aceitar a Cristo em meu coração, para aceitar o sacrifício que Ele fez na cruz por meus pecados, e como eu poderia ter 100% de certeza que quando eu morrer, eu realmente iria para o céu. Orei nesta noite e aceitei a Cristo. Não houve alarde, sem fogos de artifício ou qualquer coisa assim. Mas meu futuro estava agora seguro. Alguns anos mais tarde, eu fui a um show do Zao, e Deus usou essa experiência para me ensinar que a verdadeira satisfação só poderia ser encontrada Nele. Esse foi o dia que eu realmente comecei a viver uma vida cheia do Espírito. Então, se você ainda não olhou para Jesus, você definitivamente deve fazer isso.

Conversei com esse querido de Deus e se quiser conhecer mais do trabalho dele, curta page no facebook, ouça as músicas e se divirta. 















sexta-feira, 12 de agosto de 2016

UMA ENTREVISTA DE CONGELAR O INFERNO - SPLATTER GUTS DO BLAST FROM OBLIVION


O gênero musical Horror Punk é novo dentro do cenário brasileiro e confesso não conhecer nenhuma banda desse segmento no Brasil, embora a banda brasileira No More Zombies tenha usado desse elemento musical na música Rasteira no Saci, ainda assim, no Brasil não conheço nada do tipo. Eu conversei com Splatter Guts da banda Blast From Oblivion, de Nova Iorque - EUA, e brindo vocês com essa conversa e depois, você poderá conhecer mais do trabalho dele nos links logo após a entrevista. 

Cristo Suburbano: No Brasil, o horror punk é uma novidade, ainda mais com uma temática cristã. Você encontra problemas em seu país por fazer esse tipo de música?

Splatter Guts: Eu, pessoalmente não, ainda não (risos).  Blast from Oblivion não é tão bem conhecido. Há apenas um punhado de bandas cristãs que são de gênero horror  por aqui. Tenho ouvido falar de alguns problemas que as pessoas têm, mas não é uma grande preocupação.


Cristo Suburbano: Quando ouvi a sua música pela primeira vez, confesso que gostei muito. E eu percebi que você é a banda de um homem só (risos). Você quer ter uma banda completa ainda ou só fazer conteúdo para a internet e também para aqueles que querem comprar o CD?

Splatter Guts: Obrigado. Fico feliz que você goste, cara. Bem ... Você nunca sabe o que o futuro lhe trará. É uma possibilidade para um show ao vivo, louco e sangrento do Blast From Oblivion. Por enquanto, estou colocando juntos versões acústicas de algumas das canções e, provavelmente, alguns novos. Portanto, há planos para shows acústicos ao vivo com BFO.


Cristo Sububano: Eu vi o seu vídeo clip. Eu mesmo divulguei na fanpage do Cristo Suburbano. Você tem o propósito de fazer mais vídeos?

Splatter Guts: Eu só planejei um vídeo. Não houve tempo suficiente para termina-lo e ele acabou não saindo do jeito que eu queria. Então, o vídeo não fez o sentido. Eu lancei o que eu tinha. À partir de agora, não há planos para produzirmos mais vídeos.


Cristo Suburbano:  Por que o estilo horror punk? Quais são suas influências musicais?

Splatter Guts: Além de meu amor pelo gênero terror .... Eu queria trazer algo novo para a cena cristã. Eu não sou de encher linguiça, nada, nem tão pouco do que eu faço é obsceno para os cristãos conservadores lá fora. Eu não quero alcança-los, mas busco os de fora. Eu falo para as almas perdidas. Mas por trás de tudo o que faço traz louvor ao nosso criador. Minhas influências? Nada que realmente influencie BFO, como em geral, se eu tivesse que escolher,  provavelmente seria Gwar, Grave Robber, The Damned, Cannibal Corpse, Misfits, Calabrese, Blitzkid, Megadeth. Ultimamente tenho  curtido Death / Doom. É uma coisa muito brutal.


Cristo Suburbano: Teremos novidades, algum novo CD?

Splatter Guts: Há um novo álbum saindo com o nome de * Restrained *. É um pouco diferente,  do até então To Hell & Back. Ainda é muita condução e cru. Ele tem mais peças limpas melódicas. Vocalmente é o melhor que eu já cheguei a gravar. Tem alguns vocais limpos, mas ainda é muito brutal.  É um passo para BFO. Estou bastante animado pra isso!


Cristo Suburbano: Esta pergunta eu faço para todos os meus entrevistados - Diga alguma coisa a respeito de Jesus
.
Splatter Guts: Jesus derrama sua chuva de sangue sobre mim !!!


Esse foi meu bate papo com Splatter Guts do Blast From Oblivion e se você quiser conhecer mais da banda, acesse os links abaixo.









terça-feira, 9 de agosto de 2016

RESENHA - THE B-LISTERS - RIOTS TO SOUNDTRACK


Projeto musical formada por alguns caras de bandas da Thumper Punk Records, eles preferem manter segredo em quem eles são, se bem que, eu reconheço alguns pela voz (risos). Sou um fã assumido dos trabalhos musicais dessa gravadora que promove o punk rock cristão. Vamos a resenha, pois a banda tem uma proposta de gravar algo que soe como um punk rock noventista.

A primeira faixa Thumper Punk traz a ideia de trazer mudanças na vida com Cristo. Tem um baixo inicial e poderoso, com distorção leve, e soa algo como NOFX e Offspring. Arrebenta! 90's Punk Revisited fala de uma juventude que provavelmente também foi a minha. Skate, muito hardcore e som! Mantém o mesmo ritmo da primeira música e um riff alucinante. The B-Listers Anthem mostra uma ideia de música para diversão e lembra bem o Offspring. Tem um interlúdio bacana de baixo e bateria. Lembra Offspring mesmo. War Cancer traz a ideia de identidade com todos aqueles que estão em busca de algo nessa vida e é uma música cheia de energia e EM CRISTO NÓS TEMOS NOSSA VITÓRIA, esse é um momento sensacional da música. Riots to Soundtrack já começa com bateria e riffs de guitarra. Traz as boas memórias do punk rock noventista. Enfim, o CD é enérgico do começo ao fim. Escute e baixe nos links abaixo.







segunda-feira, 8 de agosto de 2016

RESENHA DE LIVROS: DIREITA E ESQUERDA - Razões e Significados de uma Distinção Política - NORBERTO BOBBIO


Livro do pensador político e do direito, o italiano Norberto Bobbio nos brinda com esse livro sobre uma díade que dividiu o mundo após a Segunda Guerra Mundial que transformou o mundo num lugar bipolarizado. Na sua introdução, ele nos apresenta de como uma ideia de esquerda pode perdurar, mesmo após a queda do muro de Berlim. O que me chamou a atenção nessa introdução foi de que o que temos hoje é uma democrática discussão entre Conservadores (direita) e Progressistas (esquerda). Nas atuais redes sociais de hoje, temos muita gente discutindo sobre política, sem saber ao fato o que ela é. Alguns se assumem de esquerda, mas não sabem de fato o que ela é e outros se assumem de direita, mas também não sabem o que de fato ela é. Se acusam de maneira constante. Ambos os pensamentos conquistaram o planeta...

Cito um parágrafo das páginas 16 e 17:
"Há quem tenha sustentado que o traço característico da esquerda é a não violência. Mas a renúncia ao uso da  violência para conquistar e exercer o poder é a característica do método democrático, cujas regras constitutivas prescrevem vários procedimentos para a tomada de decisões coletivas por meio do livre debate, que pode dar origem ou a uma decisão acordada ou a uma decisão tomada pela maioria. Prova disso é que, num sistema democrático, a alternância entre governos de direita e de esquerda é possível e legítima".

Embora a esquerda promova uma sociedade iguais, o que não é na prática uma verdade, pois precisaria de um representante, uma sociedade de esquerda sufocaria a liberdade de alguém que deseja prosperar num regime liberal (e quando falo liberal, para leigos, me refiro ao pensamento de Locke - Deus deu ao homem vida, liberdade e propriedade) ao qual a única obrigação do Estado é a intervenção mínima nas relações comerciais e proteger a propriedade privada. 
Dentro de um pensamento de direita, não existe juízo moral - ela não é inigualitária por más intenções - o foco é promover a incessante luta pelo melhoramento da sociedade, com base em defesa de um "progresso particular" que seria eliminado numa sociedade igualitária, ou seja, sufocar a liberdade. A direita e a esquerda não são caixas vazias. 

Norberto Bobbio - nascido de família rica - é confesso em apoiar a esquerda, todavia, ele como pensador político e do direito, busca ser equitativo e em sua problematização, ele sabe que falar dos dois movimentos acirram os ânimos, mas como ele colocou bem, é impossível nessa sociedade não ter um pensamento que é antítese do outro, dentro da sociologia, do direito, da economia e aqui, em opinião particular, como cristão, vejo Calvinistas e Arminianos, Protestantes e Católicos etc.

Jean Paul Sartre já dizia que esquerda e direita são duas caixas vazias.

 Em sociedades democráticas sempre haverá essa dicotomia. Houveram movimentos Terceiros que na tentativa de centralizar as coisas, apresentaram o cinza entre o branco e o preto, o crepúsculo entre o dia e a noite, chamados de Terceiro Inclusivo e Terceiro Incluído, para tentar resolver essa crise de pensamentos políticos. O Terceiro Incluído se apresenta sem doutrina alguma e o Terceiro Inclusivo corre em busca de uma doutrina.

A ideologia da revolução conservadora nasceu após a Primeira Guerra Mundial como resposta da direita à revolução subversiva que havia levado a esquerda ao poder em um grande país e parecia destinada a se difundir em outras regiões.

"Fascismo e Comunismo representam na história desse século a grande antítese entre esquerda e direita. Mas como? Não só não a enfraqueceram, mas a exasperaram". página 59.

 As verdadeiras ditaduras nascem desses extremos, que são o fascismo e o comunismo, logo, é por isso que ele são antidemocráticos. 
 Todo movimento de esquerda é preponderante ao aborto, mas me questiono - se ela parte em defesa do mais fraco, o mais fraco numa relação do aborto não seria o nascituro que não tem como se defender?

O extremismo combate o moderantismo que é democrático. A direita representa a tradição herdada, a esquerda representa a emancipação de valores tradicionais, embora, o fato é que emancipação deveria se entender mais por inovação. E o oposto de emancipação deveria se entender mais por paternalismo.  

"Das seis grandes ideologias nascidas a partir da Revolução Francesa, três são clássicas: o conservadorismo, o liberalismo, o socialismo científico; e três são românticas: o anarco-libertarismo, o fascismo (e o radicalismo de direita) e o tradicionalismo". página 83

O livro apresenta de uma maneira de fácil leitura, um entendimento simples e como leitor, recomendo. 




terça-feira, 2 de agosto de 2016

RESENHA DE LIVRO: A ÁRVORE DA CURA - ROGER F. HURDING


 Inicio algo novo no blog do Cristo Suburbano como a resenha de livros. Acredito que o blog não deva se focar só em entrevistas com bandas, resenhas de CDs, mas também em dar dicas de boas leituras. 
 O livro do título é voltado para aconselhamento e tem como foco à ajudar o conselheiro, psicólogo ou o interessado em aconselhar a entender que nem todo conhecimento secular de ensino é maligno, mas algo como "manifestação da graça de Deus" para o homem. 
 No primeiro capítulo, a base principal do aconselhamento é "Estimular, Exortar e Esclarecer" e isso pode ser feito por qualquer pessoa que busque um pouco mais de elucidação na arte de aconselhar. Quando existe uma patologia mais apurada, é aí que entra a psicoterapia, que é algo mais da área da medicina. O conselheiro deve ser imparcial e buscar uma empatia com distância, ou seja, não se envolver no problema, mas procurar utilizar a base já citada. Faço menção de um texto da pág. 50 que cito aqui:

"Quando as afirmações do Senhor forem apresentadas no âmbito de aconselhamento do não-crente, sugiro que nossa evangelização ocorra no espírito da seguinte citação do livro de Richard Lovelace, A DINÂMICA DA VIDA ESPIRITUAL: 'Nossa tarefa como evangelistas é, a de parteiras, não de pais. Não é responsabilidade nossa fazer que as pessoas sejam regeneradas, mas apenas apresentar um testemunho de vida coerente com o que professamos, além de apelar para a entrega a Cristo, firmes no reconhecimento interior de que as ovelhas dele lhe ouvirão a voz e o seguirão, porque o Espírito Dele lhes abrirá o coração para tal'".


 Isso acaba com a ideia de que devemos tomar tudo para nós, mas de sermos divulgadores da Palavra e quem for de Deus, irá ouvir a voz Dele no momento oportuno.
 Seguindo pela ideia do behaviorismo, que é a psicologia do comportamento, ou seja condicionado, aprendo que o homem está acima da criação, conforme nos diz o salmista e, é lógico, embora nós tenhamos condicionamentos, estamos acima deles.

 Me chama a atenção no livro sobre o método de Viktor Frankl, judeu que sofreu dentro de campos de concentração nazistas e que, através desse método, criou a logoterapia que se resume em "não sofrer no sofrimento". Isso para mim é exercício de fé pura.

 No capítulo que trata do transpessoalismo, uma frase da pág. 192 me prendeu uma frase de Wilber: " E quando Adão reconheceu a diferença entre os opostos de bem e mal, isto é, quando estabeleceu uma fronteira fatal, seu mundo desmoronou".

 Desde o Id (instinto), Ego (consciência) e Superego (censura) de Freud até a auto-ajuda de que o ser-humano é sugestionável, a teoria e a crítica encerram a primeira parte do livro.

 A segunda parte trata da análise cristã.

Citações interessantes de como o Pastor é amigo dos necessitados e reflexões de que pecado confessado, porém não tratado -e isso a análise faz bem melhor - é semelhante a deixar a casa arrumada, porém vazia, e isso se tornar morada de 7 demônios. O tratamento é importante para alguns casos mais profundos.

É um livro que nos mostra que enquanto Deus nos conscientiza do pecado, o mundo quer nos tirar a "ideia" de pecado.

Citações:

"A graça fácil é a pregação do perdão sem exigir arrependimento [...] A graça fácil é a graça sem discipulado, a graça sem a Cruz, a graça sem Jesus Cristo, vivo e encarnado... (pág. 265)

Deus se revela na natureza (Rm 1:20) e no registro bíblico, ou seja, a Palavra de Deus e o Mundo de Deus estão em harmonia perfeita.

No Gênesis, assim como Deus preparou a Terra para entregar ao homem, Ele pavimenta os meios para termos nossas orações respondidas.

No capítulo que tange o Aconselhamento Bíblico, Jay Adams segue uma ideia maniqueísta, sem se apegar a outras técnicas, se focando somente no que é bíblico, ou melhor, religioso, sem considerar o conceito de graça comum. Já o Aconselhamento Espiritual se vale de técnicas em prol do Reino de Deus. 

Entendo que nesse livro, o conselheiro deve ouvir sem julgamentos morais, mas deve alertar o aconselhado sobre os problemas que seus atos podem causar, ou seja, a condenação não liberta, mas oprime mais. O conselheiro tem que ajudar o aconselhando a entender o "kayros"- o tempo de Deus para a vida do indivíduo. O conselheiro tem que entender que embora a regeneração seja imediata, leva-se um tempo até o indivíduo começar a entender os propósitos de Deus para a vida dele.

Sobre o último capítulo, O Maravilhoso Conselheiro, trata-se da pessoa de Jesus nos ministérios de profeta, mestre, pastor e uma palavra que me deu um novo significado que eu conhecia mais na pessoa do Espirito Santo - parakletos - o que traz um significado aqui de "ajudador" na pessoa de Cristo.

Em suma, aprendo com a leitura desse livro que nada é mais satisfatório que quando Deus te usa para mudar uma pessoa, esse é a melhor paga que Ele pode nos dar. Você orientar, você advertir, você direcionar alguém e esse alguém ser transformado pelo poder do evangelho, essa é a nossa vocação.